Receitas, novidades, promoções e muitas dicas! Faça parte da Newsletter Bimby®. Subscreva já
Carrinho
pt rubrica nutricao por mafalda rodrigues da almeida

As 5 vantagens do Batch Cooking

Sabia que o batch cooking pode ser uma forma de ajudar a controlar a fome emocional? Fique a par dos benefícios deste método de cozinhar no artigo da nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida.

Batch Cooking é uma técnica que implica cozinhar em grandes porções para poder reservar para mais tarde. Basta duplicar ou triplicar os ingredientes e colocar a refeição finalizada no frigorífico, para comer durante a semana, ou no congelador, para mais tarde. É eficaz para qualquer refeição do dia, sejam as principais como as intermédias, basta é planear o que se quer fazer e ter algumas opções, mesmo para snacks.

Como já foi mencionado anteriormente, é uma das melhores técnicas para poupar tempo, gerir o orçamento, reduzir as idas ao supermercado e evitar o desperdício alimentar.

Para uma boa aplicação desta técnica basta haver uma gestão eficaz. É importante definir o que se vai cozinhar e para quantos dias e, para isso, é imprescindível definir um dia para fazer uma ementa semanal, comprar os ingredientes, cozinhar, etiquetar os recipientes com data e conteúdo e armazenar. Parece complicado, mas irá compensar bastante, especialmente nos dias de maior cansaço.

É importante não esquecer de deixar arrefecer os alimentos para evitar um maior consumo de energia por parte do frigorifico ou congelador. Deve-se procurar saber dos tempos de conservação dos alimentos e como descongelar e reaquecer os mesmos para que esta técnica não deixe de ser tão benéfica quanto consegue ser.

Para além das vantagens apresentadas acima, existe uma ainda melhor e mais importante… o facto de estarmos a cuidar da saúde através de uma alimentação mais equilibrada e saudável, evitando os ataques à dispensa de alimentos indesejados ou encomendar take away.

E quais são as 5 vantagens do Batch Cooking?

  1. Mantém-no ativo, estimulado e criativo. Parece que não, mas cozinhar é uma maneira de fazer exercício. O facto de estar a fazer maiores quantidades de comida exige algum esforço físico e mental, mas é um esforço saudável e estimulador. Se há gosto por cozinhar este esforço até passa despercebido e acaba por dar uma sensação de prazer. Ao puxar pela imaginação e a organização envolvida existe uma estimulação do cérebro que acaba por ser fundamental para a saúde mental e, consequentemente, contribui para melhores escolhas alimentares.
  2. Maior sensação de prazer ao comer. Alimentar-se deve trazer apenas sensações positivas e saber saborear os alimentos é imprescindível para que haja uma sensação de prazer envolvida. O facto de uma pessoa estar cansada e ainda ter de cozinhar acaba por estragar essa sensação no momento de ingestão. O cansaço deve ser logo compensado por algo que nos faz sentir bem, neste caso, comer. O facto de estar cansado e ver-se forçado a cozinhar só gera frustração, irritação e depois o momento e ingestão não é tão prazeroso pois acaba por não se apreciar a refeição e só querer despachar o momento de ingestão para poder “finalmente descansar”.
  3. Controlar a fome emocional. Ter opções mais saudáveis já preparadas é uma ótima estratégia para combater a fome emocional, mas porquê? Primeiro a fome emocional gera alguns comportamentos inadequados a nível da alimentação, mas desta forma, em vez de se optar por um pacote de batatas fritas, pode-se optar por algo semelhante, mas benéfico. O importante acaba por saber arranjar as estratégias… apetece-lhe algo doce? Opte por umas “Panquecas de banana e aveia”. Apetece-lhe mastigar algo crocante? Opte por “Frutos secos tostados com curcuma e mel”.
  4. Alimentos benéficos utilizados. Para a elaboração das receitas de pratos principais ou snacks acabam por ser utilizados alimentos mais saudáveis. Quando se chega a casa após um dia longo de trabalho, vai apetecer comer algo mais energeticamente denso e prático, o que acaba por influenciar negativamente o nosso comportamento alimentar. Ao optar por batch cooking, já que se está a esforçar para ter uma melhor alimentação, também vai optar por alimentos mais saudáveis, evitando os erros de uma má alimentação. Experimente “Sopa de brócolos”.
  5. Maior rentabilidade de tempo e alimentos e menos desperdício alimentar e monetário. Ao dedicar mais tempo à confeção dos alimentos podemos obter uma maior rentabilidade dos mesmos. Quando estamos com pressa de cozinhar, quem se lembra que as cascas ou os caldos de cozedura podem servir para confecionar outros pratos? Na verdade, nos dias de maior cansaço existe menos paciência para improviso e só queremos é despachar o que estamos a fazer, acabando por se deitar fora elementos que até podem criar uma outra refeição por inteiro ou até mesmo snacks. Para não falar de que esses componentes descartados também estão repletos de nutrientes que nos são fundamentais e estamos a pagar por eles. Assim, com as refeições já preparadas até podemos descansar mais quando chegamos a casa depois de um dia difícil. Escolha algo daqui “Bases - Brócolos e molho de tomate”.

 

Receitas sugeridas